sexta-feira, 19 de junho de 2009

A estética do frio


Vitor Ramil não me decepcionou e uma de suas músicas me tocou profundamente. A música falava de um louco, inadaptado cidadão, que por sua inventividade foi crucificado por nossa sociedade, que a todos quer enquadrar. Havia, no entanto, um efeito que o homem louco não conseguia suplantar: o frio. Esse inimigo congelava as esperanças, dilacerava os feitos e impedia a vida. Vitor Ramil chamava-a, na música, de "a estética do frio".


Essa expressão, tão enigmática e tão curiosa, questiona e esclarece, flexibiliza e visualiza as imagens congeladas dos tempos, dos espaços, dos seres e das invenções.


Queria tanto pensar sobre a "estética" dos relacionamentos duradouros, das instituições de saúde, educação e correção. Sobre a "estética" do viver em família, a "estética" da infância, da juventude e da velhice... enfim... lançar uma luz de revisão.


3 comentários:

  1. já te mostrei o livrinho dele, chamado "a estética do frio"?

    acho que te interessarás.
    mandarei a ti ;)

    grande beijo!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir